Ansiedade e baixa autoestima aumentam risco de inadimplência

Por Wellton Máximo

 

Brasília – A alta da inadimplência nos últimos anos não está relacionada apenas ao crédito farto e à falta de educação financeira do brasileiro. Estudo divulgado pelo Serviço de Proteção ao Crédito (SPC Brasil) revela que a ansiedade e a insatisfação com a aparência estimulam as compras por impulso e elevam o risco de calote pelos consumidores.

 

Segundo o levantamento, fatores emocionais são o principal motivo que leva os brasileiros a consumir sem planejamento. Um total de 85% dos entrevistados adquirem bens por impulso e 43% admitiram comprar em momentos de ansiedade, tristeza e angústia.

 

Os motivos para a ansiedade são diferentes conforme a faixa de renda. Nas classes A e B, a ansiedade em relação a eventos que se aproximam, como festas, jantares e viagens, representa o principal motivo para as compras sob impulso. Os consumidores das classes C e D, no entanto, mencionaram a insatisfação com a própria aparência e a necessidade de exibir um estilo de vida não condizente com a renda.

 

Para a economista responsável pelo estudo, Ana Paula Bastos, o aumento da renda e da oferta de crédito contribuiu para o aumento da impulsividade entre os consumidores. ´Hoje, a população tem acesso a produtos e bens que não tinha. A inserção no mercado de trabalho e de consumo gera ansiedade e faz as pessoas agir por impulso. Em vez de ser um entretenimento saudável, a compra gera problemas´, disse.

 

O estudo detectou ainda que o brasileiro, apesar de se considerar preparado, não sabe lidar com o próprio dinheiro. Além do elevado percentual de compras por impulso, o levantamento mostrou que 74% dos entrevistados não têm nenhum investimento, e 42% admitiram gastar tudo o que ganham, sem poupar nada. Nas classes A e B, 28% dos consumidores não conseguem guardar dinheiro, contra 53% nas classes C e D.

 

Em relação ao comportamento durante as compras, a pesquisa mostrou que 85% dos consumidores pedem algum desconto ao comprarem à vista. No entanto, a prudência não se repete nas compras a prazo. A maior parte dos entrevistados (37%) declarou não prestar atenção nas taxas de juros embutidas nos financiamentos, considerando apenas o valor mensal da prestação. Nas classes C e D, a desatenção com os juros é ainda mais marcante: 42%, contra 30% nas classes A e B.

 

Segundo a economista do SPC Brasil, a falta de educação financeira ainda é um entrave ao consumo. No entanto, o brasileiro está disposto a aprender. ´O consumidor ainda não sabe como se precaver, mas a pesquisa mostrou que ele quer aprender a planejar os gastos, o que é positivo. Esse comportamento se repete em todas as classes´, explicou.

 

Para evitar problemas, Ana Paula aconselha ao consumidor nunca gastar mais do que ganha, evitar despesas supérfluas e guardar dinheiro para imprevistos, como desemprego e problemas médicos. Em compras de alto valor, ela recomenda adiar o consumo por alguns meses para poder dar entrada maior e diminuir o número de prestações. Trocar dívidas no cartão de crédito e no cheque especial, que têm juros altos, por empréstimos pessoais com juros menores também diminui o risco de inadimplência.

 

A pesquisa da SPC ouviu 646 consumidores em todas as capitais do país. O número de entrevistados em cada cidade foi decidido com base no número de habitantes em relação à população economicamente ativa (PEA). O estudo tem margem de erro de 3,9%.

 

Agência Brasil

 

Fonte: http://domtotal.com.br
Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s