Preços de voos e serviços vão ser vigiados na Copa

A oito meses do Mundial, após protestos e denúncias, governo cria frente para tentar segurar os sobrepreços 

Depois de manifestações tomarem as ruas do Brasil criticando, entre outros problemas, os gastos com a Copa do Mundo de 2014 e os preços elevados de hotéis, ingressos e passagens aéreas nas cidades-sede, o governo federal lança um comitê para avaliar as tarifas e a qualidade dos serviços oferecidos no país. A oito meses do início do Mundial, o grupo interministerial promete, agora, defender os consumidores dos preços abusivos, que já estão sendo cobrados.

Os valores excessivos de passagens aéreas foram denunciados ontem. O levantamento mostrou que os gastos dos torcedores com bilhetes de avião podem chegar a até R$ 17.261. No trecho de ida de Brasília a Fortaleza, por exemplo, o consumidor terá de desembolsar no mínimo R$ 3.763, só R$ 100 a menos do que se gastaria para ir e voltar de Nova York, no mesmo período. O ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo, afirmou que o governo tem o entendimento de que os preços podem se tornar abusivos por causa do megaevento. “Já temos experiência nisso. Não foi à toa que fizemos uma intervenção nos preços dos hotéis durante a realização da Rio+20 e da Copa das Confederações”, alegou.

Para coibir esse tipo de ação, a ministra-chefe da Casa Civil, Gleisi Hoffmann, disse, por meio de nota, que haverá um monitoramento sistemático do comportamento dos agentes envolvidos em relação a preço, tarifas e qualidade dos serviços. “Não tabelamos nem tabelaremos preços, mas nós não permitiremos abusos. Vamos utilizar todos os instrumentos à disposição do Estado para garantir a defesa dos direitos do consumidor, seja ele brasileiro ou estrangeiro”. Mais tarde, no perfil da Casa Civil no microblog Twitter, a ministra disse que “não há motivos para preocupação” e que o Brasil receberá todos “com preço justo na Copa”. “Cabe ao governo, ao Estado brasileiro, monitorar e garantir a defesa dos direitos dos consumidores”, complementou.

O comitê é composto pela pastas já envolvidas na organização do Mundial: Esporte, Justiça e Turismo e a Secretaria de Aviação Civil (SAC), com a inclusão dos ministérios da Fazenda (Receita Federal e Secretaria de Acompanhamento Econômico) e da Saúde (Anvisa). Esses órgãos vão, junto com os Procons das 12 cidades-sede, fazer um diagnóstico de preços de passagens, hotéis, restaurantes e serviços.  O grupo deve se reunir também com empresários. Segundo Cardozo, a proposta é identificar situações que possam levar a inibição da concorrência.

Reclamações

Em reunião na semana que vem, os ministérios deverão apresentar dados que possam demonstrar a cobrança de preços abusivos. “Queremos avaliar quais setores podem se colocar como problemáticos”. Porta-voz do grupo, ele nega que a medida do governo federal seja uma tentativa de responder à população. “Isso tem a ver com nós querermos ter uma boa Copa do Mundo. Uma boa recepção ao turista, ao consumidor. Não tem nada a ver com as reclamações nas manifestações”, garantiu.

Fonte : Estado de Minas

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s